Porque a Maria Tangerina está ficando mais cara

Buscamos sempre manter uma conversa franca e empática com que nos acompanha — os nossos preços subirão e isso é um reflexo do Brasil como um todo. 
A moda não pode ser pensada fora da esfera política e seus impactos sociais. Pensar e criar moda — ou através dela —, é um ato político. Aqui, na Maria Tangerina, não poderia ser diferente. Nossa escolha em priorizar matéria-prima e trabalhadores locais, valorizando cada fornecedor e buscando compartilhar informação sobre esses aprendizados de forma transparente, é uma escolha política.
Apesar do otimismo, a indústria brasileira encerrou fevereiro abaixo do patamar pré-pandemia, só o patamar de produção do segmento de confecção de bens de vestuário esteve 18% menos do que esperado em relação a 2020. O recuo na produção é reflexo de uma mudança no estilo de vida e consumo, tal como em políticas internas e externas que impactam diretamente todos nós. 
O salário mínimo atual fixado pelo governo é, pelo menos, cinco vezes menos do que deveria ser necessário para se viver dignamente no Brasil. 
 "Hoje, uma cesta básica equivale a 56% do salário mínimo. Se a família gasta com aluguel, itens de higiene e transporte — sem considerar os reajustes que acontecem no ano —, muito provavelmente essa pessoa não tem como pagar o que está previsto na legislação. Alguma coisa vai ficar de fora", analisa Catharina Sacerdote, economista e consultora econômica. 
Além do salário mínimo não ser ideal, diversos aumentos em itens como o combustível, também impactaram o valor final dos produtos de consumo. Os valores dos nossos fornecedores foram subindo gradualmente; começou nas embalagens e logo chegou nos tecidos, nos demos conta logo no início que caminhávamos para essa decisão, mas adiamos como podíamos tentando absorver os custos de produção.
Para um negócio ser sustentável, ele precisa ser economicamente viável e sem equilíbrio do gerenciamento produtivo e financeiro, não conseguiríamos seguir trabalhando dentro dos vieses que tanto acreditamos. A decisão de subir o preço de um produto que desejamos que se torne acessível é sempre muito difícil.

4 notícias que podem te ajudar a entender o aumento de preços no setor têxtil e vestuário

Para te ajudar a entender porque atravessamos esse aumento de preços, separamos 4 notícias sobre os impactos da política e da economia nas altas:
  1. Aumento no preço dos combustíveis: 5 perguntas para entender o cenário no Brasil 

  2. Guerra na Ucrânia, alta do diesel e Covid na China fazem frete disparar mais de 100%

  3. Indústria têxtil altera cores para o inverno por gargalos e preço do algodão
  4. Muito além da gasolina: Impacto da alta do petróleo vai das embalagens a tecidos e calçados



O que vai subir na Maria Tangerina?

Os nossos produtos não sobem de valor na mesma proporção porque consideramos os custos produtivos individuais. Itens como a clássica pochete, cintos, estojos e carteiras terão os preços menos impactados do que, por exemplo, a Bolsa Viga. Confira  alista do que vai subir de preço em primeira-mão: 

Tote Grande: R$369
Tote Média: R$349
Tote Mini: R$319 
Pochete: R$169 
Viga Média: R$399 
Viga Pequena: R$369 
Porta Cartão: R$109 
Carteira Zíper: R$129 
Cinto: R$129 
Estojo: R$129 

Deixe um comentário

Todos os comentários são moderados antes de serem publicados